Caruara (D&D 5ª ed) - Bestiário Tropical pag. 011

Esse pequeno duende insectóide só pode ser visto por um observador bem atento. Não maior do que um palmo de altura, seu corpo lembra uma mistura de inseto e plantas secas. Sua pele é parece casca de árvore e os braços são finos como gravetos. Carrega um arco e muitas flechas e se move de forma furtiva e desconfiada.


Caruaras são criaturas das florestas e cerrados. Vivem em comunidades pequenas e bem escondidas na mata. Sua sociedade é, normalmente, matriarcal. Os mais altos na hierarquia costumam se enfeitar com capas de folhas e outros adornos que não comprometam sua camuflagem. Normalmente não representam problemas a outras espécies, exceto contra aqueles que entrem em seus territórios, principalmente fêmeas humanoides, pois os caruaras não suportam seu cheiro.


Quando percebem que alguém invadiu seu território, caruaras atacam com suas flechas envenenadas, que podem até chegar a matar, mas esse não é seu objetivo. Essas criaturas são pacíficas e param de atacar imediatamente quando os invasores deixarem seu território, mas podem ficar muito hostis para proteger seus filhotes, protegendo-se através de armadilhas e emboscando inimigos. Como regra, caruaras nunca atacam sozinhos.


Fêmeas primeiro. Por algum motivo, o cheiro de fêmeas humanoides irrita muito os caruaras. Esses pequeninos só atacam machos após eliminarem ou expulsarem todas as fêmeas ou caso algum

macho venha a se tornar um grande problema.


Armadilhas e veneno. Caruaras defendem seu território com o que possuem a mão, utilizando a própria natureza como arma. Também são mestres na confecção de venenos únicos, que podem chegar a matar, mas que utilizam com sabedoria. Essas criaturas não gostam de recorrer à violência desnecessária.


Caruara

Feérico miúdo, caótico e bom

 

Classe de Armadura: 14

Pontos de vida: 5 (2d4)

Deslocamento: 6 m, escalar 6 m.

 

FOR DES CON INT SAB CAR

3 (-4) 18 (+4) 10 (+0) 13 (+1) 12 (+1) 11 (+0)

 

Perícias: Furtividade +8, Percepção +3

Sentidos: Percepção passiva 13

Idiomas: Caruara e Silvestre

Desafio: 1/2 (100 XP)

 

Olfato Apurado. Esta criatura tem vantagem em testes de Sabedoria (Percepção) que dependam do olfato.


Camuflagem Perfeita. Esta criatura tem vantagem em testes de Destreza (Furtividade) e ataques a distancia feitos contra ela tem desvantagem se ela estiver em meio a folhagens ou mato.

 

Ações:


Arco Curto. Arma de Combate à Distância: +6 para acertar, distância 12/48 m, um alvo. Dano: l ponto de dano perfurante mais 2 (1d4) de dano venenoso e o alvo deve ser bem sucedido em uma salvaguarda de Constituição, CD 10, ou fica envenenado durante 7 dias. Ao final de um descanso longo, o alvo pode fazer uma nova salvaguarda. Se for bem sucedido no teste, o efeito se encerra. A magia Restauração Menor também encerra o efeito. Na segunda tentativa em diante, se o resultado da salvaguarda for 5 ou menor, o alvo envenenado toma um nível exaustão. Enquanto o alvo estiver envenenado dessa forma, ele não recupera níveis de exaustão por meios naturais.


Invisibilidade. Esta criatura fica magicamente invisível até atacar, conjurar uma magia ou até a concentração acabar (como se estivesse se concentrando em uma magia). Qualquer equipamento que ela esteja usando ou carregando também fica invisível.

 

Adapte o Caruara para outros sistemas com nosso Grimório

 

Imagem: Fábio Alex


Fontes de pesquisa:


AMARAL, Sonia Maria; CUSTÓDIO, E. A comunidade de Santa Luzia no Arquipélago do Marajó: vivências e práticas religiosas. Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH, n. 33, p. 23 - 50, jan - abr 2019.

ALVES, Januária. Abecedário de Personagens do Folclore Brasileiro. 1ª Edição. São Paulo: FTD: SESC Edições, 2017.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 10ª ed. São Paulo: Ediouro. s/d, ISBN 85-00-80007-0.

PINHO, Alvaro. Aspectos Históricos da Psiquiatria Folclórica no Brasil. Universitas, Salvador, v. 29, p. 15-30, jan-abr, 1982.

SOUSA, Jaqueline. RELIGIOSIDADES NA RURALIDADE AMAZÔNICA. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 40, p.65-84, ago/dez, 2015.


402 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo