Luiz Gonzaga - Personagens do Brasil pag. 002

"Com um toque de esperteza e uma pitada de safadeza, todo mundo gosta."


Luiz Gonzaga.

 

Nascido numa pequena cidade de Exú – Pernambuco, o pequeno Luiz sempre foi fascinando pelo forró, que ouvia tocar na velha sanfona do pai, que era um sanfoneiro e consertador de instrumentos de toda a região. Sua mãe, Ana Batista de Jesus, era cantadeira da Novena de Nossa Senhora da Igreja de São João Batista, e com ela aprendeu a religiosidade.


Sem paciência para professores, dedicava-se muito a acompanhar o pai em feiras, procissões e festas. Com 18 anos, engraçou-se com a filha de um coronel local e teve de fugir a pé. Vendeu sua sanfona e alistou no exército, em plena Era Vargas. O exército fez com que ele viajasse por todo o país, conhecendo novas pessoas e ritmos, mas, segundo o próprio, ele nunca precisou atirar em pessoa alguma e não gostava de violência, preferindo sempre a diplomacia.


Serviu por 9 anos, largou o exército e passou a explorar o Rio de Janeiro, tocando em bares e cabarés, fazendo amigos e aumentando seu repertório com todo tipo de ritmo. Ao final, resolveu retornar a sua terra, trazendo as experiências que teve para o ritmo de suas raízes. Vestido com roupa de boiadeiro e seu chapéu de couro, acompanhado de zabumba e triangulo, inaugurou o típico trio nordestino do baião. Segundo ele, as raízes de suas músicas vinham das toadas e do folclore brasileiro, falando sobre as festas, a religiosidade, os chamegos e as tristezas do universo nordestino, principalmente a sua mais conhecida: Asa Branca.


Luiz, o Rei do Baião, viveu muitas aventuras e criou seu estilo musical, fazendo dele o verdadeiro Rei Bardo do Sertão. Suas músicas retratavam, com amor e paz, alegria e resistência de seu povo, mostrando-o como forte, corajoso e valoroso, como ele realmente é.


Gonzagão, o Rei do Baião

Humanoide médio

 

Classe de Armadura: 16 (Gibão de Peles)

Pontos de vida: 285 (38d8 + 84)

Deslocamento: 9 metros

 

FOR DES CON INT SAB CAR

13 (+1) 15 (+2) 17 (+3) 13 (+1) 17 (+3) 22 (+6)

 

Salvaguardas: For +3, Des+7, Con +5, Int +6, Sab +8, Car +11

Perícias: Atuação +16, Historia +11, Intuição +8, Persuasão +11, Religião +6, Sobrevivencia +13

Resistência a danos: Ígneo

Imunidade à condições: Amedrontado

Sentidos: Percepção passiva 13

Idiomas: Comum e mais 3 adicionais

Desafio: 15 (13.000 XP)

 

Conjuração. Luiz é um conjurador de 20º nível. O atributo de conjuração é Carisma (CD da salvaguarda de magia é 19, +11 para acertar com ataques mágicos). Ele possui as seguintes magias de bardo preparadas:


Truques (à vontade): Amigos, Luzes Dançantes, Prestidigitação, Reparar, Zombaria Perversa

1º Nível (4 espaços): Benção, Onda Trovejante, Palavra Curativa, Sono

2º Nível (3 espaços): Imobilizar Pessoa, Sugestão

3º Nível (3 espaços): Remover Maldição

4º Nível (3 espaços): Polimorfia, Porta Dimensional

5º Nível (3 espaços): Dominar Pessoa, Lendas e Histórias

6º Nível (2 espaços): Banquete de Heróis, Dança Irresistível de Otto

7º Nível (2 espaços): Miragem Arcana, Tempestade de Fogo

8º Nível (1 espaços): Controlar o Clima

9º Nível (1 espaços): Muralha Prismática


Xote de Combate. Enquanto Luiz toca sua sanfona e sua arma flutua próximo a ele, atacando seus oponentes. Essa arma ataca como se ele a estivesse empunhando, mas soma Carisma no ataque e dano, ao invés de Força ou Destreza. Além disso, ataques feitos com ela são mágicos e arma não pode ser desarmada ou segurada por outra criatura e causa 2d8 pontos de dano radiante extras.


Inspiração de Bardo da Asa Branca (6/Descanso Curto). Luiz pode inspirar os outros por meio da música ou das palavras. Isso se manifesta na forma de uma minúscula asa branca encantada que voa em volta do alvo a, no máximo, 1,5 m. Como uma ação bônus, Luiz escolhe uma criatura que não seja ele mesmo, que esteja a no máximo 18 metros de distância, e que seja capaz de ouvi-lo. Essa criatura ganha 1d12 de Inspiração de Bardo. Uma vez durante os próximos 10 minutos, essa criatura poderá jogar o d12e adicionar o resultado a qualquer teste de atributo, salvaguarda ou jogada de ataque que realizar, além disso, ela recebe os seguintes efeitos adicionais:


Florescer do Mandacaru. Quando a criatura rolar um dado de inspiração de bardo para adicionar a um teste de atributo ou salvaguarda, a asa branca pousa na criatura, se torna um broto de flor de mandacaru e floresce. Se o resultado for menor que seu modificador de carisma, a criatura pode somar o modificador de carisma de Luiz no resultado do dado (no mínimo 1).


Terra Ardente. Imediatamente após rolar um dado de Inspiração de Bardo para adicionar a uma rolagem de ataque contra um alvo, a asa branca pega mergulha no chão, gerando uma onda de fogo no solo. O alvo e todas as criaturas a 1,5 m dele, à escolha do atacante, devem ser bem sucedidos em uma salvaguarda de Destreza contra a CD de magias de bardo ou sofrerão dano ígneo igual seu bônus de carisma.


A criatura pode jogar o d20 antes de decidir se usará o dado de Inspiração de Bardo, mas precisa decidir antes de o DM dizer se a jogada foi bem-sucedida ou não. Uma vez que o dado de Inspiração da Asa branca tenha sido jogado, ele terá sido gasto. Uma criatura pode ganhar apenas um dado de Inspiração de Bardo por vez.


Pau pra Toda Obra. Luiz pode adicionar metade do seu bônus de proficiência, arredondado para baixo, a qualquer teste de atributo que realizar e que já não inclua seu bônus de proficiência.

 

Ações


Ataques Múltiplos. Luiz usa Sopro do Fole e depois realiza dois ataques com a rapieira.


Rapieira. Arma de Combate Corpo a Corpo: +11 para acertar, alcance 1,5 m, um alvo. Dano: 10 (1d8+6) pontos de dano perfurante + 9 (2d8) pontos de dano radiante.


Sopro do Fole (Recarga 5-6). O som e o vento da sanfona de Luiz fere seus inimigos e cura seus aliados. Criatura a 9 metros, a escolha do Luiz, sofrem 13 (3d8) pontos de dano psíquico e devem fazer uma salvaguarda de Força CD 19. Se falharem, recebem 13 (3d8) de contundente, são empurradas 3 m para longe dele, ficando caídas. Aliados a 9 metros, a escolha de Luiz, curam 10 (3d6) pontos de vida.

 

Informações, curiosidades e ganchos p/ RPG:


  • Luiz veio de uma família bastante religiosa. Seu nome foi uma homenagem a Santa Luiza e a São Luiz Gonzaga.

  • Apesar de ter recebido treinamento militar, Luiz detestava violência e usava seu carisma e boa conversa para resolver as situações difíceis.

  • O Rei do Baião chegou a se apresentar para o Papa João Paulo II, presenteando-o depois com um chapéu de couro de cangaceiro.

  • Apesar de ser um mestre da música nordestina, seu repertório era extremamente vasto, contendo valsas, tangos, sambas e tudo o que aprendeu nas estradas.

  • No exército, Luiz era corneteiro (toca a corneta para acordar o batalhão) no 23º Batalhão de Caçadores do Exército brasileiro. Lá, ganhou o apelido de "Corneteiro bico de aço", pois achavam que ele tocava tão bem a corneta para acordar as pessoas que era como se fosse parte de seu corpo, um bico de aço.

  • Mesmo estando ao lado dos militares em 5 conflitos revolucionários (revolução de 30, revolução constitucionalista, Guerra dos Sacos, Levante Integralista e Levante Comunista), Gonzaga jamais atirou em ninguém e repudiava violência.

  • O estilo de Luiz era inspirado nas tradições de sua terra, mas ele iniciou uma espécie de "nova escola" da música popular nordestina.

  • Luiz era um homem apaixonado por sua terra e de grande respeito pelas tradições, mas não expressa qualquer forma de preconceito por outras culturas, na verdade apreciando bastante toda forma de experiência cultural.

 

Informações Técnicas:


Nome completo: Luiz Gonzaga do Nascimento

Nascimento: 13 de dezembro de 1912, Exu - Pernambuco.

Falecimento: 2 de agosto de 1989, Recife - Pernambuco.

Causa da morte: Parada cardiorrespiratória causa por Pneumonia.

Profissão: Músico.

Cônjuges: Odaléia Guedes dos Santos (até 1948, quando ela faleceu) e Helena Neves Cavalcanti.

Filhos: Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior (Gonzaguinha) e Rosa Gonzaga


Imagem: Mural de 100 anos de Luiz Gonzaga - Francisco Daniel A. Moreira


Fontes de pesquisa:


ALMEIDA, Anizia. Luiz Gonzaga e as marcas identitárias de um povo / Anizia Almeida. - 2018. Monografia


ABREU. Alzira Alves de Primeira República Revolução de 30 Disponível em: <https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/REVOLUÇÃO%20DE%201930.pdf> Acesso: 13 de janeiro de 202 p.p 1 e 2


BRASIL. Ministério da Defessa Luiz Gonzaga – O soldado Rei do Baião. Data: 11/12/12 ano: 2012 Disponível em: <http://www.eb.mil.br/web/noticias/alusivos-e-ordem-do-dia/-/asset_publisher/QKzf8DsobUm1/content/luiz-gonzaga-o-soldado-rei-do-baiao/16541>. Acesso em: 12 de janeiro de 2021


FRAZÃO, Dilva Bibliografia de Luiz Gonzaga 18/08/2020 Disponível em: <https://www.ebiografia.com/luiz_gonzaga/#:~:text=Luiz%20Gonzaga%20(1912-1989),de%20"Rei%20do%20Baião".&text=A%20música%20"Asa%20Branca"%20feita,virou%20hino%20do%20Nordeste%20brasileiro>. Acesso em: 19 de dezembro 2020 ás 14:55


GASPAR, Lúcia. Luiz Gonzaga. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: 10 de janeiro de 2021


ROCHA, Ítalo Gabriel Vieira da. A identidade cultural nordestina na música de Luiz Gonzaga a partir dos níveis fonéticos, ano V - número 19 - Teresina - Piauí - dezembro de 2013 p.p 26 – 27.


Luiz Gonzaga entrevistado por Gonzaguinha. 1972. Programa Provocações. Disponível em: <https://youtu.be/W1N0CzSno84> Acesso em: 12 de janeiro de 2020


Entrevista de Luiz Gonzaga para Geraldo Freire. Ano 1985. Programa Radiofônico Jornal Pernambucano Disponível em: <https://youtu.be/Bm3TTpeC2NQ> Acesso em: 12 de janeiro de 2020


Pesquisa pelo historiador Jonatha Ferreira

Redação pelo jornalista Gabriel Abilio

Ficha pelo game designer Daniel Medeiros

168 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo