Quibungo (D&D 5ª ed) - Bestiário Tropical pag. 037

Esta criatura foi escolhida pelos nossos apoiadores.


Este bicho lembra um macaco agigantado com focinho de fera, cheio de dentes afiados, garras animalescas e há em suas costas uma enorme boca vertical cheia de dentes, que se abre quando ele abaixa sua cabeça. Sua altura pode variar entre 2,5 e quase 4 metros e seu pelo é grosso e escuro. Sua expressão oscila entre bestialidade e espanto. Ele parece com fome.


Quibungos são bichos-papões que surgem como reencarnações dos pesadelos de velhos solitários que maltratam crianças por prazer. Normalmente são noturnos e fazem morada em cavernas ou casas abandonadas na mata. São carnívoros e, apesar apreciarem a carne de qualquer humanoide, crianças são seu prato favorito. Quando podem, capturam-nas vivas, arremessando-as em sua grande boca dorsal, e as levam para sua toca para serem cozinhadas ou servirem de escravos nas tarefas domésticas, mas, se estiverem com pressa, simplesmente retalham e jogam os pedaços na boca das costas, para depois colocá-los para fora e devorá-los corretamente.


Sua boca dorsal funciona como uma porta para um bolsão dimensional, sem conexão com o sistema digestivo do Quibungo. O couro destas criaturas é muito procurado para fabricar Mochilas de Carga ou outros itens de dilatação espacial, pois podem reduzir seu custo e tempo de fabricação em até metade.


Valentões covardes. Quando acreditam estar em vantagem, quibungos são bastante arrogantes e cheios de si, mas basta que sintam haver qualquer chance de um perigo real para que essa postura desapareça por completo. Preferem fugir à menor chance de combate e não terão nenhum pudor em fazer qualquer coisa para salvar a própria pele.


Capanga. Há relatos de quibungos agindo em bandos, normalmente para atender os desejos de um mestre mais maligno e poderoso.


Quibungo

Feérico grande, caótico e mau.

 

Classe de Armadura: 13 (armadura natural)

Pontos de vida: 93 (11d10 +33)

Deslocamento: 12 m

 

FOR DES CON INT SAB CAR

18 (+4) 14 (+2) 17 (+3) 10 (+0) 14 (+2) 11 (+0)

 

Perícias: Furtividade +6, Intimidar +2, Percepção +6

Sentidos: Visão no escuro 36 m, percepção passiva 16

Idiomas: Comum e Silvestre.

Desafio: 3 (700 XP)

 

Audição e Olfato Apurados. Esta criatura tem vantagem em testes de Sabedoria (Percepção) que dependam da audição ou do olfato.

 

Ações:


Ataques Múltiplos. Quibungo faz dois ataques: um com a mordida e outro com as garras ou de engolir em uma bocada.


Mordida. Arma de Combate Corpo a Corpo: +6 para acertar, alcance 1,5 m, uma criatura. Dano: 11 (2d6 + 4) pontos de dano perfurante. Se o alvo for uma criatura, ela deve ser bem-sucedida em uma salvaguarda de Força CD 14 ou fica caída.


Garras. Arma de Combate Corpo a Corpo: +6 para acertar, alcance 1,5 m, um alvo. Dano: 8 (ld8 + 4) pontos de dano cortante. Se o alvo for uma criatura média ou menor, ela deve ser bem-sucedida em uma salvaguarda de Força CD 14 ou ficará agarrada.


Engolir em uma Bocada. O Quibungo joga uma criatura agarrada em sua boca dorsal. A criatura sofre 15 (2d12 + 4) pontos de dano perfurante e está presa em um bolsão. Enquanto estiver presa, ela está incapacitada, contida, surda e cega. Ela pode fazer uma salvaguarda de Inteligência CD 13 para sair no final de cada turno. Uma criatura que passe mais de 1 minuto presa dorme e não consegue mais fazer testes para escapar. Somete 3 criaturas podem ser presas ao mesmo tempo, e nenhuma delas pode ser grande ou maior. Se o quibungo for morto, todas as criaturas presas são libertadas automaticamente.

 

Adapte o Quibungo para outros sistemas com nosso Grimório

 

Imagem: Ikarow


Fontes de pesquisa:


ALVES, Januária. Abecedário de Personagens do Folclore Brasileiro. 1ª Edição. São Paulo: FTD: SESC Edições, 2017.


CASCUDO, Câmara. Geografia dos Mitos. 1ª ed. São Paulo: Global editora. 2012.


EDELWEISS, Frederico. Apontamentos de Folclore. Coleção Nordestina. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2001.


FERNANDES, Gleicienne; PITHON, Mariana. De Quibungos e meninos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008.


SILVA CAMPOS, João da. Contos e Fábulas Populares da Bahia. Rio de Janeiro: IHGB, 1937.


SOUZA CARNEIRO, Antonio Joaquim. Os mitos africanos no Brasil: Ciência do Folk-lore. São Paulo: Brasiliana, 1937.


360 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo